terça-feira, 31 de agosto de 2010

Lapidar 36

Há muitos anos que não se percebe muito bem como são os poderes na Federação. Gostamos mais ou menos da justiça que está a ser feita em função do nosso gosto pela pessoa. (Rui Moreira, em Trio de Ataque)
Nota : Completamente de acordo. Mas, se o Rui Moreira conhecesse como vai mal a Federação Portuguesa de Ténis ficaria ainda mais indignado. Sim, é possível ficar mais indignado. Mas as Federações são eleitas pelas Associações, estas pelos clubes, e não existem clubes sem atletas. Então, quem tem a culpa?

Roger Federer between the legs shot vs Dabul

A melhor pancada


A melhor e mais espectacular pancada até ao momento no US Open pertenceu a Roger Federer no encontro da 1ª ronda frente a Brian Dabul. Mais uma para juntar à extraordiária colecção do suiço, desta vez com uma between-the-legs e back-to-the-net winner que deixou o seu oponente pregado no meio do court.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Estrêla ou Cometa?

O documentário Star or Comet sobre a vida no circuito profissional de ténis, e as diferenças entre a vida de um jogador do top 30 e um jogador do top 700 é excepcional. Há mais de 70 milhões de jogadores de ténis no mundo. Quase 20.000 talentos procuram ser top. Apenas 400 chegarão lá. Cerca de 60 serão milionários.

US Open 2010 Day 1




O rapaz carrega uma grande bola de ténis destinada aos autógrafos que vai tentar obter hoje, no US Open que começa a 30 Agosto. Cada um à sua medida. A portuguesa Michelle Larcher de Brito joga hoje. Os portugueses adeptos do ténis a partir das 18 horas estarão na internet agarrados ao livescore, com a esperança de festejar no final.

domingo, 29 de agosto de 2010

Drop shot mania

Gratidão


O Sporting fez de mim aquilo que sou. Conquistei Taças, Supertaças, joguei na Champions e cheguei a internacional A. É um clube a quem devo muita coisa. (António Leonel Vilar Nogueira Sousa ou Tonel)

A gratidão e a lealdade são dois dos sentimentos mais bonitos do homem. Tal como Veloso, sai pela porta grande. Volta quando quiseres, Tonel. Aquele que triunfa jamais deve esquecer alguém que o tenha ajudado, mantendo em mente que tem o dever de fazer o mesmo nas oportunidades que a vida lhe trará

Andy Murray, uma boa aposta


Comecei a gostar de ténis um pouco tarde. Ainda assim cheguei a tempo. A ver jogar ténis reaprendi a ser quase imparcial e a julgar os factos por mim próprio. Saí da jaula das clubites futebolísticas e conquistei a liberdade. Reconheço, que entre os mais novos, ainda existe esse estranho sentimento de tomar partido por uns e desprezar os outros. Mas eles também têm o tempo e o espaço para mudar. Não sou grande apreciador de Andy Murray, nem da escola inglesa. Principalmente, no sector masculino. Mas, sei separar os conflitos de personalidade das qualidades desportivas.

Na véspera do início do US Open, Andy Murray é uma boa aposta. Seis anos depois de ter vencido o US Open Junior, Murray está em condições de vencer a edição deste ano. Judy Murray, a sua mãe, que o levou à vitória há seis anos, regressou para substituir Miles Mclagan, e voltou a acompanhá-lo de perto como nos velhos tempos nos courts perto da sua casa em Dunblane, Escócia. E não é coincidência que a sua mãe o tenha levado a vencer Nadal e Federer em Toronto, quando Maclagan se demitiu. Tal como Gloria Connors que teve grande influência no ténis de seu filho Jimmy Connors, Judy apareceu para ajudar o seu filho a vencer. Com o devido respeito para todos os pais, eu acredito muito na força de uma mãe.

Fotos Kids' Day


O sérvio Novak Djokovic com os "Bryan Brothers" em o Kids' Day no Arthur Ashe.

sábado, 28 de agosto de 2010

Que inveja!


Os fantásticos Rafael Nadal e David Nalbandian treinavam no Arthur Ashe, ganhava o primeiro por 6-3 e 5-2 e ia servir Nadal, quando chegou Maria Sharapova para ocupar o seu turno de treino. O US Open começa segunda-feira e todos os adeptos do bom ténis estão ansiosos.
No fundo, o cenário que usarão os Jonas Brothers e Gloria Estefan, hoje no Kids' Day. Tenho mesmo inveja de quem me deu a notícia e que tirou as fotos.
Tripla inveja. Nadal, Nalbandian e Sharapova ali tão perto. Observem também os joelhos dois dois monstros do ténis.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

From Russia with love

Inadmissível


Rui Machado cedeu ontem na 2ª ronda da qualificação do US Open 2010 frente ao norte-americano Ryan Harrisson depois de uma batalha brutal de quase 3 horas. Faltou-lhe a fortuna mas não o valor.

Mas as condições em que estava o court onde jogou são inadmissíveis para um Grand Slam. Enfim, ténis à americana.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O Sporting mais português


O Sporting Clube de Portugal garantiu a passagem à fase de grupos da Liga Europa, ao vencer o Brondby por 3-0, nesta quinta-feira, na Dinamarca, na segunda mão do play-off da Liga Europa. Nada de excepcional. O Sporting entrou em campo com dez portugueses (dois naturalizados) e o montenegrino Vukcevic. Arriscou e ganhou. A equipa deu tudo, disse Nuno André Coelho, o novo defesa central.

O Sporting é a equipa mais portuguesa de Portugal.

É mais fácil construir uma catedral do que fazer um homem. (Padre Américo)

São shreks e tiveram uma recaída


Um relatório da empresa MessagelLabs conclui que a Espanha é o país mais afectado com programas maliciosos (1/64,1 dos e-mail) e a Hungria pelos spam (níveis de correio electrónico não solicitado de 96,3%/mês de Julho).

O jornal Record poderá estar perto de ser o maior difusor de notícias maliciosas de Portugal. Ontem, anunciou que o brasileiro Maylson vinha a caminho do Benfica, e hoje anuncia que o bielorusso Alexander Hleb poderá estar perto de ser o novo reforço do Benfica.

Por mim tudo bem. Cada ginja, um melro.

A confiança e a ambição


A confiança numa competição é tão ou mais importante do que a técnica. A falta de confiança leva o atleta a duvidar da sua habilidade, a tentar fazer melhor do que o necessário e induz ao erro. A confiança é a capacidade de acreditar em si mesmo. Sem este atributo, qualquer disputa fica nivelada por baixo. É comum para quem julga confundir confiança com arrogância, pois um atleta com confiança fica tão senhor de si mesmo que pode demonstrar falta de respeito para com o seu adversário.

Um vencedor é forjado na técnica e confiança e não deve temer demonstrar confiança, pois uma das principais características do perdedor é não demonstrar confiança e escolher na possível arrogância do seu algoz o motivo para a derrota. No ténis, isto não é diferente. Quando não gostamos deste ou daquele jogador é melhor olhar com mais cuidado para o seu lado confiante. Já o arrogante, é sempre aquele, como se diz na gíria, que não joga nada e quer massagem. Este só se conhecerá depois de um jogo ou torneio, ou até mesmo depois de uma temporada, e normalmente não chegará a lado nenhum. (Luís Fernandes, jornalista e editor do Ténis Virtual)

Resta acrescentar que a confiança está ligada à ambição. Até podem ser confundidas. Muitos revelam muita ambição aos 12, 14 e 16 anos (escalões) mas vão perdendo esta qualidade com o tempo e falham quando seniores. Mas não se dão conta disso. Relacionam sempre, a sua quebra de rendimento ou a falta de resultados positivos, a outras causas. Enquanto que a confiança se conquista, trabalhando, a ambição pode resultar de factores naturais dos atletas que têm a ver com o carácter, personalidade e inteligência emocional. A ambição pode ser medida fora do desporto, na vida, na profissão e na integração na sociedade.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O que é que acham?


Depois de ler o post anterior, leiam o comunicado do SLB. Estes são os últimos dias em que o mercado permite inscrever jogadores. Já se esperava que os jornais multiplicassem os nomes e as especulações à volta e jogadores em que, supostamente, o Benfica estaria interessado. Já tivémos um longo desfile e, ao que parece, vamos continuar a ter até à próxima terça-feira. Já sabíamos da existência de muitos empresários que se aproveitam destes momentos para promover os seus representados, à custa - é verdade - de jornalistas que no meio de um verdadeiro "turbilhão" de nomes se deixam utilizar, involuntariamente, como correia de transmissão dos interesses desses mesmos empresários.

O Sport Lisboa e Benfica vem esclarecer apesar de haver alguém muito activo junto das redacções - que o jogador Maylson não está, nem esteve nos seus planos. Que não fez qualquer proposta pelo jogador e tudo o que hoje é publicado não passa de mera especulação. O mesmo se aplica para outras notícias do dia, cujo teor e seriedade nem sequer merecem o nosso esforço num desmentido, tal o absurdo da situação.

Incrivel, não é? Gasta-se uma primeira página com uma notícia falsa para ofuscar um feito histórico de um clube português. O Record depois de se ter agachado, escreve já em trajes menores.

Shreks para sempre


Porquê o jornal A Bola é de qualidade superior e por consequência melhor que o Record? Os títulos das capas de hoje desses dois jornais desportivos tiram as dúvidas. O SP. Braga conquistou ontem o direito a estar presente na Champions League, com uma vitória especial e fascinante sobre o Sevilha. Uma vitória que enche de orgulho todos os portugueses. Excepto alguns. Que não querem saber muito disso. Quem? Os shreks do Record.

A capa do Record é preenchida a 90% com o título Maylson a caminho do Benfica e 5% com a vitória do Braga. Por outro lado, A Bola atribui 95% à vitória do Braga com o título Braga foi ENORME! e 5% para o resto das notícias. A atitude do Record é ridícula.

Simples. A Bola é um jornal decente e o Record é um jornal indecente. Desculpas e calimeros não são aceites. Mas o filme está aí nas salas de cinema : Shreks para sempre! Lol.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Lapidar 35

Já enfrentei diversas gerações e isso sempre significou desafios. Acho que a cada cinco anos surgem novos rostos no circuito. A nova geração já está batendo à nossa porta. (Roger Federer)

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Treinador no banco


Em quase todos os desportos individuais não existe treinador no banco, como acontece nos desportos colectivos. E se na esgrima, natação, atletismo, hipismo, xadrez, por exemplo, este facto é um dado perfeitamente consensual e compreensível, no ténis poderia ser um factor muito importante para melhorar o rendimento dos atletas e proporcionar melhor espectáculo. Na FED Cup e na Davis Cup a presença do treinador no banco melhora a prestação dos tenistas, contribuindo até para que muitos se superem e obtenham resultados superiores àqueles que obtêm no circuito profissional. Para benefício de todos e especialmente do público.

Tenho a opinião que algum dia esta simples alteração vai acontecer. Tenho a convicção que a presença do treinador junto do tenista poderia obter melhor rendimento dos atletas, mais emoções no público, alteraria comportamentos de muitos, nasceriam mais treinadores de banco o que é bem diferente do actual tipo de treinador e novos conceitos inovadores apareceriam.

Força João!


O lateral do Sporting João Pereira que foi internado no Hospital da Luz após um choque com o guarda-redes Rui Patricio teve alta esta segunda-feira. Na foto está a ser assistido por Rui Patricio e pelo médico Dr. Gomes Pereira ( pai do tenista Henrique Pereira). Força João! Fazes muita falta ao Sporting CP.

O dono do Manchester City


Gastos kamikaze, foram as palavras utilizadas por Sir Alex Fergunson para definir a era actual das aquisições loucas e altamente dispendiosas no futebol. Referia-se às compras por valores muito elevados que estão a ser feitas pelo Sheik Mansour para construir uma equipa invencível.

A UEFA tem praticamente acabado um novo plano financeiro que visa regulamentar as transferências no futebol, de modo a tentar serenar e provocar equilíbrios no futebol. É um conjunto de complexas regras e cálculos que terão como base limitar as compras de jogadores quando os clubes tem demasiados passivos e perdas acumuladas, bem como relacionar as aquisições com os orçamentos dos clubes e impor pesadas taxas suplementares que irão engrossar um Fundo da UEFA, especialmente criado para o efeito. De modo a contornar as dificuldades de aplicação de regras fixas, devido à liberdade da movimentação dos capitais numa economia livre, a UEFA criou sobre cada transferência a realizar depois de 2012, uma taxa especial que reverterá a seu favor e que tornará as verbas envolvidas numa transferência de tal modo insuportáveis que limitará todas as transferências entre clubes.

Estamos pois, no final de um ciclo e no limiar de uma nova era que vai premiar aqueles que investem na formação, nos jovens, na inovação e nos recursos para o desenvolvimento. Este controlo dos pesados orçamentos dos clubes de elite, já está a ser tomado em conta por muitos grandes emblemas do futebol europeu, como o Manchester United e o Bayern de Munique. O Scheik Mansur, dono do Manchester City, revelou que está preparado para enfrentar os novos regulamentos, e que de facto é mais fácil comprar escolas e academias de formação de jogadores do que gastar numa época 500 milhões de euros com aquisições. É aqui que entra Portugal, neste novo jogo em que somente um ou dois vão ter acesso.

Carrega

Para o bem da criança , espero que o Roberto não seja daqueles pais que atira o filho para o ar para depois o tentar apanhar.

Pode ser que mudem


Na semana que passou o Record publicou várias notícias do ténis nacional. Duas no mesmo dia. O que é um recorde do Record. Pode ser que mudem. A Bola já mudou tembém e já publica notícias do ténis com mais frequência. Ambos querem crescer, mas dizem que em Portugal está esgotada a possibilidade de crescerem muito mais. O que não é verdade. Melhorem, deixem de ser arruaceiros da palavra ou planetas em órbita própria (isolados) e vão ver que crescem. Esqueçam por um pouco o que os publicitários e os estatísticos das sondagens dizem. Eles querem crescer à vossa conta. E vender o peixe deles. Para poderem crescer. Não rumo ao glorioso, mas rumo a todos, a todos os portugueses.

sábado, 21 de agosto de 2010

Volta leão! Precisamos da tua lealdade

Agradecimento ao : Acetagostas

Uma grama de lealdade vale um quilo de inteligência. (Elbert Hubbard)

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Koehler obrigada a jogar


Treinador Nuno Marques acusa FPT de prejudicar a pupila # Maria João Koehler vai defender títulos absoluto e júnior para não perder parte da bolsa

Nuno Marques queixa-se que a pupila Maria João Koehler está a "ser prejudicada" pela Federação Portuguesa de Ténis (FPT), ao ver-se obrigada a defender os títulos nos Nacionais de juniores, que têm início no dia 31 em Carcavelos, e absoluto, que arranca a 8 de Setembro no Jamor.

" Em Julho, a Maria João pediu para não ser convocada para o Europeu porque tinha dois torneios de 25 mil dólares em Vigo e na Corunha, onde podia ganhar pontos para o ranking mundial, mas declinaram. Agora pediu escusa nos Nacionais, sobretudo de juniores, que já ganhou duas vezes e não é a prioridade de quem quer fazer carreira profissional. recebemos uma carta quase cínica, dizendo que estava dispensada, mas que o regulamento ia ser escrupulosamente cumprido, sendo-lhe retirado 40 por cento da bolsa, à volta de mil euros. Se houvesse prize-money jogaria sem contestar, mas está obrigada a fazê-lo, ficando impedida de discutir pontos em torneios de 25 e 50 mil dólares pela Europa", explicou Marques, ressalvando que o "maior constrangimento" da atleta é financeiro. " A Maria podia ter jogado o Orange Bowl e o quadro júnior de Roland Garros com dinheiros públicos e não o fez, porque a aposta é no WTA. Explicámos tudo isso na carta enviada à FPT e penso que merecia uma leitura mais atenta".

Apesar de enaltecer o trabalho a nível de selecções juvenis e o apoio dado pelo CAR, com o qual a 419ª mundial jogou em Itália três torneios, Marques lamenta a demora no pagamento das bolsas de alta competição. " Nem todos os atletas podem investir para receber mais tarde. E depois não querem que o ténis seja modalidade de elites..." atirou sobre o facto de Maria João ter recebido metade da verba de 2009 em finais de Janeiro deste ano, data limite para o bolo total, e a outra metade em Maio.

Em falta estão segundo o treinador, dinheiros relativos à entrada da tenista no Projecto de Esperanças Olímpicas : " Entrou em 2009 e ainda nada recebeu, sequer uma resposta conclusiva sobre o assunto. Tudo isto é lamentável porque a Maria é uma miúda de dedicação extrema ao ténis e já concluiu o 12º ano. Pode-se fazer mais por jovens como ela e essa é a minha luta", rematou. ( Artigo completo, assinado por Célia Lourenço no jornal A Bola, de hoje, 20 de Agosto de 2010)

Sem sono


Bati no fundo. Estou sem clube e em blackout. Vou-me dedicar à pesca durante uns tempos.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O dono das bolas sem excepção


George Orwell no seu livro o Triunfo dos porcos definiu a situação num conto excepcional que atravessou as barreiras do tempo, como acontece com toda a obra-prima. A frase mestre do livro é todos os porcos são iguais, mas há uns mais iguais que os outros.

O ponto 9.2 do Regulamento de bolsas de Apoio à alta competição (adiante brevemente designado, RBAC) enumera um conjunto de deveres dos atletas, entre os quis se conta o de garantir a participação no campeonato nacional do seu escalão etário, e no campeonato nacional absoluto. Nos termos do ponto 11 do RBAC, o incumprimento do qualquer dos pontos contidos no número 9.2 - Deveres dos Atletas - pode implicar o cancelamento da bolsa, incluindo a cessação de todos os direitos mencionados, e a obrigatoriedade de repor a totalidade dos montantes recebidos até ao momento do cancelamento da respectiva bolsa.

E assim por diante até ao absurdo. Importa ainda sublinhar que este procedimento tem sido aplicado a todos os atletas por ele abrangidos, sem excepção. A coisa ia mais ou menos como uma camada de verniz até este último parágrafo. Sem excepção.

Não acredito, muita gente ligada ao ténis e eu, que isto seja verdade. Para acreditarmos é muito simples. Transparência e verdade. Ou seja, publicar, informar, o montante de cada bolsa, atleta por atleta, o que a FPT não faz, nunca fez. E publicar e informar quais os montantes deduzidos das bolsas de cada atleta por incumprimentos, ou até quais foram os atletas que viram as suas bolsas canceladas. Se publicarem todos acreditam, os que têm medo de denunciar as irregularidades, os que não têm medo mas temem represálias e assim a comunidade tenística pode apreciar o sem excepção.

A aplicação, a ameaça de publicação e a péssima gestão de um regulamento tem prejudicado de forma grave dezenas e dezenas de jovens atletas e impedido a sua progressão e desenvolvimento. Aos que se interrogam, porque jogadores nacionais estão a começar somente a revelar-se no profissionalismo depois dos 21/22 anos, a resposta é que são impedidos de o fazer mais cedo, salvo um caso ou outro. Recentemente, por exemplo, os organizadores de dois torneios ITF femininos no norte de Espanha perguntaram a dirigentes de Associações no norte do país, quais as razões da não participação de atletas portugueses nesses torneios, visto que Neuza Silva e Ana Catarina Nogueira já tinham sido vencedoras dos mesmos. A resposta foi simples. A FPT não permite, não deixa. Os espanhóis soltaram gargalhadas. Acontecer isso em Espanha seria inconcebível.

Acabando como comecei, todos os atletas são iguais, mas há uns mais iguais que outros, digo eu.
Nota : Em tempo, acrescento. O pagamento das bolsas deve ser feito rigorosamente até ao dia 31 de janeiro da cada ano. Mas não é. Nem nada parecido. Uma excepção excepcional.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Vale a pena ler


http://anti-benfica.com/comartigos_record16agosto2010_luis_avelas.php


Não há mal nenhum ser anti qualquer coisa. Antifascista ou anti comunista. O que há de mal é ser anti umas coisas e não querer que haja pessoas anti outras coisas. As pessoas são anti-benfica, por exemplo, porque não se identificam e até repelem os valores do Benfica. O mesmo para os que são anti-sporting ou anti-porto e assim sucessivamente.

A melhor curiosidade deste site que pretende denunciar todos aqueles que ele considera serem anti-benfica é que ele próprio é anti os outros todos. No artigo em causa ele ataca o jornalista que até por acaso é fervoroso benfiquista. Eu li o artigo de Luís Avelãs no Record e no momento não achei nada de especial. Mas depois de ler os comentários deste site e colocando-me na pele dele (o mais possível dentro de um impossível) até compreendo a indignação. Mas só compreendo, não estou de acordo com o site, claro. Ou seja, o site acha que o Benfica é perfeito. E todo o recheio do Benfica é perfeito. Tudo que se diga ou escreva que não seja a glorificação do glorioso é anti-benfiquismo. Mas existem outros sites de adeptos de clubes iguais a este. Sempre a mesma coisa. Podem dizer-me, mas foste buscar logo o exemplo do site anti-benfica. E eu digo, pois. Pois, no sentido de assumir que também não sou exemplo de grande isenção. Mas quem é?

terça-feira, 17 de agosto de 2010

O regresso do ténis vintage


Na etapa do circuito senior Vale de Lobo Grand Champions, a Wilson lançou uma edição de bolas brancas para este torneio. É a primeira vez depois de 25 anos que se jogou um torneio profissional com brancas. Como já não se fabricam, a organização do torneio, enviou um pedido especial de 10.000 bolas, a mínima quantidade que a Wilson produz para uma encomenda. Como só foram utilizadas 2.000, resta saber o que acontecerá às outras 8.000.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Favas contadas


O povo diz que são favas contadas porque existe a certeza absoluta de que as coisas estão decididas e não existe o menor risco de que possa ser de outro modo. A campanha orquestrada dos jornalistas amigos, nos jornais e TV, criam ilusões no povo que sonha esquecer na bola as desilusões e dificuldades extremas que o país sente. Os erros grosseiros de J Jesus, o eclipse de Javi, Saviola e Cardozo, o sub rendimento de vários jogadores mal remunerados em relação às estrelas que chegaram, a falta de marcação de mais de 20 livres directos por jogo, e de muitas e muitas coisas mais, ditaram a derrota justa do Benfica.

Se juntarmos a estas evidências, o protagonismo excessivo de David Luiz, que precisa de um banho de humildade, visto ser o responsável por vários golos sofridos pelo clube, por erros posicionais ou os erros de gestão como gastar mais milhões dos que os recebidos para comprar jogadores a quilo que não jogam, podemos ter o diagnóstico da doença. Mas, com a euforia que vai para aqueles lados, com desculpas e justificações para tudo, não terão oportunidade de corrigir o que está mal e principalmente ter um pouco de humildade. Assim, resta daqui a uns tempos a autópsia, para analisar as causas da morte.

domingo, 15 de agosto de 2010

A visão de jogo na vida


Decorria o ano de 1850 e George era sacristão há mais de trinta anos da pequena igreja situada em Camden Town, bairro popular de Londres. O novo padre tinha tido com ele uma conversa breve em que dispensou os seus serviços. Argumentou que tinha ideias novas e que George não sabendo ler nem escrever não cabia nos seus projectos para a igreja. George, recebeu o salário, arrumou as suas pequenas coisas e saiu. Era um fim de tarde frio e chuvoso.

Caminhou, perdido no tempo e atordoado, pela longa rua escura e coberta com neblina espessa. E teve uma grande vontade de fumar. George nunca tinha fumado na vida. Procurou uma tabacaria para comprar um cigarro, andou durante muito tempo e não encontrou. Pensou então, que outras pessoas deviam ter tido a mesma necessidade e não puderam comprar tabaco.

Aplicou as economias que acumulou durante anos, para abrir uma tabacaria na longa rua do bairro. Os anos passaram e George era já dono de muitas tabacarias na cidade de Londres.

Um dia, quando comprava a um vendedor diversos artigos para as suas lojas, este exclamou com estrondo : George, se sem saberes ler nem escrever és a pessoa de Londres com mais tabacarias, serias milionário se soubesses ler e escrever!

Se eu soubesse ler e escrever era sacristão, respondeu George. (adaptação de um conto de Charles Dickens)

Nota : Charles Dickens é um dos maiores escritores da literatura inglesa (1812-1870), quando jovem tornou-se jornalista escrevendo comentários e ilustrações desportivas na New Sporting Magazine, durante três anos.

Campeão para 2011


O polvo já decidiu.

sábado, 14 de agosto de 2010

Um pouco de regulamento no caso Nalbandian


. A lista dos inscritos (Entry List) de um ATP ou Grand Slam fecha seis semanas antes do início do torneio. Os jogadores inscrevem-se ou desistem até ao fecho das inscrições seis semanas antes, através da internet num site chamado Player Zone, a que os tenistas e treinadores acedem com uma chave. Depois do fecho, se ficou fora, o jogador só pode aceder ao torneio por convite ou através da qualificação (incluindo convite para a qualificação). Geralmente a lista inicial dos qualificados vai correndo até haver baixas e aí entram os suplentes (alternates) por ordem de entrada. Para os Challengers, considera-se o ranking de três semanas antes. Para os Futures o de 18 dias antes.

. Para figurar na Entry List do US Open e poder jogá-lo, por exemplo Nalbandian necessita de um ranking protegido. No momento do encerramento da lista dos inscritos (seis semanas antes), o ranking mostrava que estava fora do grupo admitido (num Grand Slam fecha à volta da posição 105-110).

. Quando um jogador se lesiona ou está doente, e está fora do circuito durante seis meses ou mais, pode pedir uma excepção chamada ranking protegido (PR de Protected Ranking). Deve enviar-se uma carta escrita e o número de PR que terá o jogador antes de lesionar-se será a média dos primeiros três meses antes da lesão. No caso de David, é o 15º.

. Essa protecção usa-se para a entrada no quadro principal do torneio ou na fase de qualificação do mesmo. Não se usa para ser cabeça de série ou para entrar no Masters por exemplo. Por quanto tempo pode usar-se? Para oito torneios ou um período de nove meses a partir da sua primeira participação no regresso à competição, sempre que se cumpra a primeira destas opções. Se Juan Martin Del Potro tiver problemas de entrada quando regresse, tem o ranking protegido à sua disposição, que será 5º ou 6º, por aí (como foi dito, a média dos primeiros 3 meses antes da lesão).

. Jogadores como Del Potro ou Nalbandian, ao ser figuras, vão administrando esse ranking protegido, e muitas vezes nem necessitam dele. Para isso pedem convites. As organizações dos torneios, orgulhosas de tê-los, até lhes pagam prémios. No seu regresso, Nalbandian pretendeu usar o ranking protegido em Roland Garros, por exemplo, e estava convidado para Barcelona e Madrid (ao final não jogou nenhum). Distinto é o caso de tenistas como Diego Hartfield, por exemplo, que conta que pede convites para challengers e Futures e que tem muita dificuldade em obtê-los. Por isso tem que jogar qualificações e guardar o ranking protegido (192º no seu caso) para torneios com mais pontos e dinheiro em prémios.

. Então, uma coisa é estar qualificado para um torneio (explicado no ponto 1), outra é estar préqualificado num torneio. O préqualificado é um dos favoritos, o cabeça de série. Nos ATP podem ser de 8 a 16 ; nos Masters Series, 16 a 32 ; nos Grand Slams, 32.

. No de Nalbandian provoca talvez a confusão porque não é comum que um jogador que teve de entrar num torneio com ranking protegido porque não lhe chegava o ranking real, possa ser préqualificado umas semanas depois. Mas David em duas semanas passou do posto 117º ao 37º, onde ficará a partir da próxima segunda-feira.

. A lista dos préqualificados arma-se sempre considerando o ranking real de uma semana antes do início do torneio. Então, desde a final de Cincinnati ao começo de New Haven, uma semana antes do US Open, será o que se deverá ter em conta para a lista dos 32 cabeças de série em Flushing.

. O objectivo de Nalbandian, então, será ficar entre os melhores 32 depois de Cicinnati, ainda que tenha uma vantagem : Del Potro e Tsonga não jogarão, pelo que a Nalbandian vai chegar-lhe 0 34º. Qual é a vantagem de estar préqualificado? Evita os melhores pelo menos até à terceira ronda. Os não préqualificados podem enfrentar Federer ou Nadal de entrada, dependendo do sorteio.

. Uma coisa óbvia, mas válida : quer Nabaldian fique em 32º ou 34º não depende só dele. Pode passar três rondas em Cincinnati e outros que estejam perto dele tenham uma grande semana e também passem.

. Outra coisa óbvia, mas válida : ser préqualificado é importante, mas o sorteio faz o resto. É melhor para as sua hipóteses, por exemplo, não ser préqualificado, iniciar com Roddick fora de forma e ter depois um caminho mais simples que, ser favorito e apanhar Nadal ou Murray na terceira ronda. (Jorge Peyret)

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Ana Ivanovic, o regresso triunfal


Ana Ivanovic conquistou a sua segunda semi-final do ano com uma confortável vitória de 6/1 e 6/3 sobre a uzaque Akgul Amanmuradova no Western & Southern Financial Group Women's Open de Cincinnati. A jovem jogadora de 22 anos não sofreu nenhum break point neste encontro dos quartos de final que teve a duração de 57 minutos. Ivanovic atribui uma quota parte dos seus bons resultados à sua velha amiga Marija Lojanica, que é a sua physical fitness coach desde Wimbledon.

Seja por este facto ou não, o que interessa é que Ana regressou para triunfar. O que se saúda. Porque Ana Ivanovic no seu melhor faz falta. Com humildade, aguentou com algumas incompreensões, passou por alguns maus bocados, mas voltou para contentamento de todos que gostam do bom ténis. Mas para mim, que só me interessa o bom ténis, acho que a ambição está lá. Nunca é tarde demais para ser aquilo que sempre se desejou ser.

Lista dos jogadores portugueses 2010/2011


http://portuguesesnoestrangeiro.wordpress.com/lista-de-jogadores/


Num trabalho de grande categoria, extremamente bem feito e que pode servir de referência a muitos profissionais de comunicação social, Paulo Silva referencia que existem 369 portugueses inscritos em equipas estrangeiras em todo o mundo. Na Alemanha 11, em Andorra 20, em Angola 6, na Arábia Saudita 2, Argélia 1, Arzebeijão 1, Bahrain 1, Bélgica 2, Brasil 1, Bulgária 4, China 1, Chipre 73, Escócia 4, Espanha 53, Estónia 1, EUA 5, Finlândia 1, França 20, Geórgia 1, Grécia 16, Holanda 4, Inglaterra 22, Islândia 2, Itália 12, Irlanda 2, Israel 4, Kuwait 1, Lituânia 1, Malta 3, Macau 11, Noruega 1, Polónia 3, Roménia 25, Rússia 3, Sérvia 1, Suiça 43, Turquia 3, Ucrânia 3 e Vietname 1. Não foram ainda contabilizados os jogadores a actuar no Luxemburgo.

No momento em que a imprensa desportiva e os online estão em nítida decadência por falta de prestígio e confiança dos consumidores, por intoleráveis parcialidades de muitos jornalistas que são mudados como um produto ao lado das esfregonas da casa, ou porque são imberbes manipuláveis como cobaias em laboratório, este tipo de informação ganha muita credibilidade e contribui para o porvir do jornalismo desportivo.

Portugal está a arder?


Apesar deste blog se dedicar somente a assuntos desportivos, achei por bem escrever uma linhas sobre a situação horrível que Portugal atravessa. Prestar uma sentida homenagem aos bombeiros do nosso país que lutam sem meios para salvar pessoas e bens, arriscam a vida e quase todos a troco de nada.

Apesar de poucos conhecerem, e como de costume, este facto não seja referido nos jornais desportivos, existe uma prova oficial, um campenato de futebol de onze organizado pela Liga dos Bombeiros Portugueses em colaboração com as associações distritais de todo o país. Os soldados da paz actuam nas selecções distritais integradas em grupos e apuram um campeão nacional. Uma honrosa excepção para o Record online que referiu numa notícia a morte de um bombeiro em S. Pedro do Sul. Que a chuva regresse, o mais depressa possível, para resolver aquilo que os homens não conseguem dominar.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

A geração do oi


Estas crianças praticam ginástica em espaldares de madeira numa escola de Jiaxing, na provícia de Zhejiang, na China. "Praticam" foi a palavra utilizada para dar a notícia. Porque são crianças escravizadas. Se for verificado que não servem para a ginástica são deitadas fora. A China já esteve envolvida em escândalos que levaram a retirada de medalhas olímpicas a atletas por terem falseado a idade.

Estamos perante outro exemplo do vale tudo. Todas estas situações derivam da falta de cultura, do medo principalmente e de uma apavorante estupidez e falta de vergonha. As situações deste tipo são silenciadas e protegidas. Novos tempos que traduzem a moda do oi, essa designação brasileira de elevado teor estupidificante. Esta nova geração do oi que argumenta, quando são confrontados com factos que não gostam de enfrentar, com a expressão máxima dos idiotas, isso não são coisas do meu quintal.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A anedota da semana

http://www.destak.pt/artigo/72382

O Destak online publica uma notícia com o título Fernando Gomes será o primeiro presidente profissional e remunerado, referindo-se ao novo presidente da Liga Portuguesa de Futebol. Na foto para ilustrar a notícia coloca a figura do grande futebolista e homem Fernando Gomes. Assim vai o nosso jornalismo. O Destak pertence ao grupo Cofina, de que fazem parte entre outros títulos, o Record e o Correio da Manhã.
Nota : Podem ir a correr tirar a foto, que eu não me importo. Lol. Só rir.

Novas tecnologias


A FIFA sempre recusou a utilização do vídeo na arbitragem, tecnologia que já é utilizada no ténis, no cricket e no râguebi. A utilização das novas tecnologias na linha de golo será um dos temas da reunião da Internacional Board, orgão que delibera sobre as leis do futebol, anunciou hoje o presidente da FIFA, Joseph Blatter.

Quais são os motivos que levam a FIFA a não introduzir no futebol as novas tecnologias? Porquê o senhor Blatter não quer ficar na história do futebol mundial, para a eternidade, se tomar uma decisão desse tipo? Será que um dos seus sucessores nunca decidirá nesse sentido?

No futebol há pequenos e grandes poderes. O domínio e o controlo da arbitragem é um grande poder. E os detentores do poder não abrem mão do seu poder, pensam, presumo, que os poderes são eternos. Mas não são. Atrás de mim virá quem melhor fará. E não há volta a dar. Somente esperar. E já não falta muito. A contagem dos campeonatos será posta a zero. Contarão apenas os campeonatos, títulos e jogos ganhos na fase do depois. Porque na fase do antes não houve jogo limpo. E sempre que for invocado um título do antes, imediatamente virá o argumento dos tempos medievais. E os jovens encarregam-se de apagar o passado, todos à medida das suas conveniências. E sempre assim será, porque sempre assim foi.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Os amigos


Pessoalmente acho que Carlos Queiroz deve sair. Se não for pelo próprio pé, deve ser empurrado. Porque primeiro de tudo está a selecção nacional e só depois algumas pessoas. Mas ele não quer sair com dignidade porque o dinheirinho está primeiro que a honra. Já foi igual quando foi treinador do Sporting e este tipo não muda. Primeiro, a vidinha. Só por isto não escreveria este post.

Mas acontece que acabei de ler que entre outras pessoas, Pinto da Costa e Alex Ferguson, se deslocaram à sede da FPF para testemunharem a favor de Carlos Queiroz. Sempre achei que os amigos são para as ocasiões. Sempre achei que a ingratidão é o pior dos defeitos dos homens. Sempre achei que um homem que não defende os seus amigos não presta. Portanto, avancei para este humilde post, que realça alguns homens que nunca se agacham. Sempre achei que se for necessário, pode-se dar a vida por um amigo.

Perdendo ou ganhando, eu estou junto. (adepto brasileiro)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Lapidar 34

Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros. Apreciem cada momento, agradeçam e não deixem nada por dizer ou fazer. (António Feio)

domingo, 8 de agosto de 2010

Vergonha


41' César Peixoto comete falta sobre Varela merecedora de cartão vermelho? César Peixoto foi objectivo e deliberado na conduta violenta protagonizada sobre Varela não uma, mas sim duas vezes. Impunha-se livre directo e exibição do cartão vermelho. As regras são claras. (Jorge Coroado) Para mim é uma falta grosseira, ou seja, César Peixoto usou força excessiva ou brutalidade na disputa da bola, logo era uma infracção merecedora de exibição de cartão vermelho. (Pedro Henriques) Parece-me que há falta grosseira de César Peixoto. Creio que, para além da primeira falta, depois ainda calcou o Varela, e não houve qualquer sanção disciplinar. Mesmo o cartão amarelo, dado o que aconteceu, seria insuficiente.(Paulo Paraty)

53' Aimar devia ter visto cartão amarelo por jogo perigoso sobre Bellushi? 57' Falta de David Luiz sobre Sapunaru justificava a exibição de cartão vermelho e não do amarelo? 78' Entrada de Carlos Martins sobre Bellushi foi faltosa e merecedora de sanção disciplinar? E a cena do árbitro a agarrar o pescoço de Álvaro Pereira?

Estamos elucidados. Dá para prever o tipo de arbitragens do campeonato. Muito más, más e medíocres. Os beneficiados? Sempre os mesmos. Dá para corrigir?. Dá. Apresentar queixas, protestos e exposições até à exaustão e consequente expulsão.

Lapidar 33

O Benfica a jogar assim é invencível. (Jorge Jesus, há uma semana atrás)

sábado, 7 de agosto de 2010

Ao lado do court, a mãe


(in Tenis Show, Cláudia Coutinho, jornalista desportiva)

Há cerca de um mês estreei como mãe de tenista durante a realização da primeira etapa do Circuito S.C.A. de Ténis Gaúcho. Que sufoco! Não me lembro ter repirado durante as trocas de bola. Acho que até nem me mexi. Logo eu, que há 27 anos estou acostumada a ficar do lado do court (e outras tantas vezes em frente à televisão), com o meu bloquinho e uma caneta, fazendo marcações de pontos, anotando momentos cruciais da partida, entrevistas, reportagens. Finais da Copa Gerdau, torneios estaduais e nacionais, jogos ATP, a vitória de Jaime Oncins sobre Michael Chang na Olimpíada de Barcelona, a semifinal em Atlanta que Meligeni perdeu para Sergio Bruguera, Copa Davis. Mas nada disso se compara a assistir ao filho estreando num torneio oficial, na categoria de 10 anos.

O desejo era que tudo desse certo. Que ele entrasse no court com vontade de ganhar, superasse a ansiedade, como jogar pela primeira vez no court número 1 do clube, com pessoas estranhas observando ; não baixasse a cabeça nos momentos difíceis do encontro ; conquistasse pontos ; procurasse fazer o seu melhor ; e, acima de tudo, jogasse o jogo com a mesma alegria com que salta da cama mais cedo mais do que nos outros dias só porque às terças e quintas tem aula de ténis pela manhã. Basta chamar uma vez.

Nem tudo correu exactamente como o desejado. Mas valeu a experiência, para mim e para o Thiago. Ele perdeu o jogo, mas ganhou um carinhoso abraço de seus pais e a vontade de voltar aos courts. E eu reforcei a certeza que conquistei em anos de jornalismo desportivo : o Desporto é uma das formas mais saudáveis e ricas da Educação. Não importa se em projectos sociais, se em escolas de iniciação, se no patamar de tão selectivo alto rendimento, o Desporto permite evidenciar e consolidar valores fundamentais à formação dos cidadãos.

Por isso, reverencio todas as estruturas construídas para ensinar o ténis e outros desportos. Entendo por ensinar não somente transmitir um conjunto de fundamentos e habilidades técnicas, mas todos esses valores intrínsecos ao Desporto, como respeito a si, aos adversários e às regras, determinação para seguir em frente, vontade de fazer o melhor e de sempre rever e estabelecer novos desafios, de perceber a vitória como uma conquista pelo trabalho e dedicação e encontrar na derrota os ensinamentos necessários antes de tentar outra vez. Estruturas, portanto, que exigem dos professores muito mais do que o conhecimento técnico, mas compromisso para formar vencedores, dentro e fora dos courts.

E eu cá continuo, anotando, observando e escrevendo e, agora, melhor das tarefas, participando dos desafios e das conquistas do meu filho.

Os assobios

Fui uma vez candidato numa lista de direcção nas eleições do Sporting CP. Foi no tempo em que Jorge Gonçalves ganhou as referidas eleições. Num estilo populista, Gonçalves apresentou sucessivamente durante a campanha eleitoral as "unhas do leão" que eram jogadores que tencionava contratar caso ganhasse as referidas eleições. Os novos jogadores eram apresentados todos os dias através de notícias na imprensa e depois ao vivo antes dos jogos do campeonato em Alvalade. O método era simples. Junto de um grande empresário internacional da época, Juan Figuer, conseguia, pagando, que os jogadores viessem por 15 dias a Portugal e fossem apresentados como potenciais reforços. O Sporting não ganhava nada há muitos anos e os sócios alimentavam o sonho de ganhar um campeonato. Os sócios e novos sócios entraram em massa no Sporting, e mesmo os mais cautelosos aderiram a votar em Jorge Gonçalves, sem reflectir, e o movimento tornou-se imparável.
Jorge Gonçalves foi eleito presidente do Sporting. Quando saiu, deixou um rasto de dívidas e de situações muito graves por resolver, que feriram gravemente o leão durante muitos anos. Ele próprio, perseguido pela Justiça, refugiou-se em Angola durante muito tempo. No período entre a sua chegada e partida, o Sporting transformou-se muito. Para pior. O mais grave, quanto a mim, foi a entrada de muitas pessoas que vieram perturbar o clima de cordialidade que existia entre os sócios. Muito ao estilo do clube rival. Mentalidades iguais, desde que sejam muitos, o mais possível e que acima de tudo querem resultados. A qualquer preço. Com ou sem batota é preciso é ganhar.
Os assobios que aconteceram em Alvalade na passada quinta-feira fazem parte dos restos que ainda andam por ali, e que só o passar do tempo consegue dissipar. São muito corajosos em rebanho e no futebol, mas em outras situações da vida, mais importantes, não tomam posição, escondem-se e assobiam para o lado. Durante o jogo assobiam a equipa na qualidade de pequenos patrões, depois do jogo assobiam para o lado e fingem que não se passa nada, na qualidade de empregados medrosos. São os adeptos bipolares.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Mensagem ao ténis juvenil português


Desde que viajo com diferentes jogadores por Espanha, desde finais dos anos 90, vi grandes jogadores espanhóis, campeões do mundo da categoria juvenil, nºs 1 da Europa, campeões de grandes torneios juvenis : como os torneios Banana Bowl, Orange Bowl, ganhadores de "Les petit princes", campeões dos torneios do European Junior Tour, todos os participantes e membros das equipas espanholas de Winter e Summer Cup, campeões da Europa por Espanha que quando querem dar o passo para o ténis profissional têm grandes dificuldades ou deixam o ténis de competição quando chegam e descobrem a dureza que são os primeiros Futures em Espanha.

Como pude comprovar o ténis é complicadíssimo, podíamos citar 10 a 12 jogadores por escalão de idade que competem a nível nacional e internacional, somente no nosso país, com expectativas reais de poder chegar ao ténis profissional, mas para chegar ao grande público, só dois ou três vão conseguir, ou no máximo três ou quatro, e não devemos pensar que lá porque és campeão de Espanha, campeão da Europa ou campeão do mundo sub-16 vais poder viver do ténis, porque isto seria um erro. Quantos poderiam viver do ténis nessa lista? Muito poucos, infelizmente, e asseguro-vos que todos têm uma enorme qualidade e enorme dose de talento.

Se aos tenistas que podemos referir perguntássemos umas simples perguntas sobre os sacrifícios que fazem para estar onde estão, estas poderiam ser as suas respostas e perdoem se faço um exercício ousado da minha parte.

Quantas horas treinas por dia? De 3 a 6 horas. Quantas viagens fazes por ano? Infinidade, por Espanha, Europa e resto do mundo. Quantos dias da semana dedicas ao ténis? Todos ou quase todos. Quando começaste a sair para jogar fora de Espanha? Aos 12 ou 13 anos, há outros que antes. A que idade começaste a jogar ténis? Aos 6 ou 7 anos.

Valorizar todo este esforço, todos estes anos de sacrifício, tudo o que um desportista realiza para ver onde está o seu potencial é digno de ser valorizado, porque muitas vezes ouves os fans ou adeptos, jornalistas ou público em geral a dizer que só és bom se consegues ser o Nº 1.

Portanto, a todos os pais e treinadores que acreditam que este mundo é ganhar um torneio local ou provincial, ser campeão da sua região, e depois daí se passa ao ténis profissional, deviam conhecer a complexidade do ténis de Alta Competição, deviam conhecer todos os jogadores juvenis que deixam de estudar e apostam em ser tenistas investindo dinheiro, horas de treino, esforço e muita ilusão, convencidos que um dia serão como Rafael Nadal, David Ferrer, Carlos Moya ou Juan Carlos Ferrero.

O futebol sem liberdade


Para o jogo de futebol para a Supertaça entre Porto e Benfica a disputar no Estádio Municipal de Aveiro com capacidade para 28.000 pessoas, a PSP destacou forte contingente policial. Tudo Super. Supertaça, Superclubes, Superpúblico e Superpolícias.

O contingente policial é constituído por 350 agentes de Aveiro, reforçados com brigadas de Lisboa, Porto e Coimbra, 300 stewards, grupos de intervenção rápida, grupos de investigação criminal, equipas cinotécnicas e equipas de spotters (agentes especializados em lidar com grupos organizados) e cavalos, muitos cavalos. Uma guerra, portanto. Medieval. Há quem goste disto. Mas não contem comigo. Amo a liberdade e lutei muito por ela. Pessoal gosta e aceita isto porque não esteve cá antes. Mas antes, não havia polícia por causa do futebol.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Lapidar 32

Eu não sei quantos jogos ele fez, entre Leiria e Benfica, antes de chegar ao Porto, mas devem ser os mesmos que eu. (André Villas-Boas)

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O presidente imortal e o declínio


Santiago Bernabéu nasceu em 8 de junho de 1895 e faleceu em 1978, dias antes de completar 83 anos de idade. Foi soldado, futebolista e presidente do Real Madrid e empresário. Iniciou a sua carreira como futebolista aos 14 anos como avançado, jogou 16 anos no Real Madrid, sendo capitão durante muitos anos e marcou mais de 200 golos. Foi eleito presidente em 1943 e exerceu o seu mandato até falecer, durante 35 anos.

Pinto da Costa nasceu a 28 de dezembro de 1937, tem 72 anos, foi bancário (BPA) e em 1957, com 20 anos entrou para a secção de hóquei em patins do FC Porto. Foi eleito presidente em 1892 e exerce o seu mandato há 28 anos.

Não conhecemos o nosso destino. Mas existem mudanças que podem provocar situações surpreendentes. E as coisas parecem estar a mudar noutros sentidos. Só conseguimos imaginar o futuro presos dentro de uma mecânica conhecida, mas ela pode mudar completamente. Quem sabe se não estamos a avançar com velocidade cada vez maior e, a certa altura, não ultrapassaremos a capacidade de imaginar, podendo haver uma Humanidade futura sobre a qual podemos não fazer a mínima ideia?

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Formar Homens e Jogadores


Sinto-me um pouco triste por abandonar o clube que me formou, que fez de mim homem e jogador. (Miguel Veloso)

Sporting Clube de Portugal que formou Damas, Futre, Figo, Simão, Quaresma, Peixe, Luís Boa-Morte, Ronaldo, Nani, João Moutinho, Miguel Veloso, Saleiro e tantos e tantos outros, que depois andam pelo mundo a mostrar uma qualidade e um talento de pasmar. Uns partem para seguir o seu destino, outros chegam com o sonho nas mãos. Muito mais que um qualquer campeonato ou jogo, aqui trata-se de viver a vida, de levar ao Mundo aquele Portugal de que esse Mundo precisava para afrontar o futuro, dar a todos uma noção de humanidade muito mais vasta do que aqueles circunscritos a um meio muito mais limitado que é o de importar jogadores para contentar pessoas, sempre pelo caminho mais fácil e mais curto.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Le Grand Chef


Um amigo fez-me chegar às mãos esta pérola. Com o título "Prize-money"...não é fundamental, aqui vai a transcrição do texto : Aquando da apresentação do Circuito School Eventos/FPT logo houve quem quisesse saber o que pensava a Federação fazer em relação ao "prize-money" do Campeonato Nacional Absoluto, o qual ainda continua por revelar. Para o líder da FPT a questão não encerra muitas dúvidas : "se houver patrocinador há 'prize-money', caso contrário não. Não vamos usar dinheiros, públicos para pagar prémios a jogadores". Vincando "que através das parcerias que temos, estamos a envidar todos os esforços para conseguir concretizar esse anseio mas a nossa posição é clara. Depois, não estou convencido que a conseguir-se um 'prize-money' isso traga os melhores jogadores. Vamos tentar conciliar vontades mas reconheço que não é fácil". (in tenis magazine do jornaldogolfe.com)

Pronto. Não está nada claro, mas é assim que o senhor pensa. Ou despensa para ser correcto. Transcrevo então o segundo texto de um homem sem medo : É pena sermos pequeninos, mas pior que isso é pensarmos pequenino. Foi com muita pena minha que não participei este ano no Campeonato Nacional Absoluto. Alguns dirão que foi birra, outros provavelmente falta de coragem, mas a todos esses respondo no court onde e quando quiserem, desde que haja um objectivo. Não acredito que haja alguém minimamente racional, que tenha a sorte de fazer aquilo que gosta na vida, que saia de manhã de casa para o trabalho sem um objectivo. Seja ele o mais pequeno. Seja ele o mais insignificante. Eu pergunto : Há prestígio em ser-se campeão nacional num torneio que não serve literalmente para nada?

Não acredito também, que haja alguém que seja capaz de pagar ao seu patrão para trabalhar. Ora, era isto que a Federação Portuguesa de Ténis pedia a todos os jogadores inscritos. Vocês vêm jogar o Campeonato Nacional Absoluto, pagam-nos a inscrição, arcam com as despesas todas, alguns ainda faltam ao trabalho, mas no final têm o prestígio de serem campeões nacionais. No meu ponto de vista, só foi jogar quem não sabe somar um mais um, mas realmente os portugueses nunca se viraram muito para a matemática (a pior média das disciplinas em Portugal não é? Porque será?).

A FPT justificou a falta de prize-money no Campeonato Nacional Absoluto com a actual conjectura económica. Justificaram-se ao dizer que andaram à procura de parceiros por mais de 40 empresas, mas aqui faço mais umas perguntas : Será que procuraram esses parceiros, a meio do ano, quando todas as empresas já têm os orçamentos anuais feitos, e onde a margem de manobra é praticamente nula? Será que a FPT quando recebe as verbas anuais do Estado, não deverá pôr imediatamente de parte a verba para o prize-money do Absoluto, sabendo que é a prova para "supostos" profissionais? É por estas e por outras que os parceiros não aparecem...

Mas mais incrível do que tudo são as declarações que vou ouvindo por aí, da parte dos responsáveis da FPT. A Federação andou o ano todo a pedir compreensão dos jogadores, pois iria ser um ano complicado para todos. Eu pergunto : Nesses "todos", estarão incluídos os jogadores? Sendo que os jogadores terão de compreender os problemas da Federação, será que Federação compreende os problemas dos jogadores? Será que os problemas deste ano não serão uma acumulação de muitos anos de problemas? Se bem me lembro, no final do ano passado houve uma prova, que eu considero importante, onde os jogadores viram reduzidos o seu prémio para menos de metade, e onde eles próprios se viram reduzidos. Já durante este Campeonato, fiquei algo perplexo com declarações do género de : "a falta de atletas de topo deve-se ao facto de estes terem atingido um nível competitivo muito elevado","A falta de prize-money não retirou prestígio ao Campeonato Nacional, pois dá o título de Campeão, o que é muito importante para todos os jogadores" e ainda "Em Espanha , o prize-money foi de 100.000€ e o primeiro cabeça de série era o 17º melhor jogador espanhol". Aqui ficam mais umas perguntas : o Frederico Gil e o Rui Machado quando eram 500 do mundo não vieram jogar o Nacional? Que ranking têm jogadores como Leonardo Tavares, João Sousa, Pedro Sousa, Gastão Elias, Gonçalo Falcão, etc. para terem atingido o tal nível competitivo tão elevado? Será que para estes jogadores é assim tão importante a placa de Campeão Nacional Absoluto, para não marcarem presença? Será que os 16 melhores jogadores espanhóis não conseguem viver dos torneios ATP? Será que para esses 16 lhes interessa a placa de Campeão Nacional Espanhol? Será que alguma vez vamos aprender com eles? (escrito por Hugo Anão, a 12 de setembro de 2009, no umpequenorodizio.blogspot.com)

Outra pequena transcrição : Portugal é um mistério para mim. Tem óptimas condições para a prática e desenvolvimento da modalidade : as condições climatéricas são propícias, há boas infra-estruturas, bons professores e bons atletas. Não percebo porque não surgem mais e melhores atletas de alto rendimento...(Prelector uruguaio Gabriel Pacheco no curso de formação da AT Lisboa)



Os primeiros erros


O Bruno, o Raul e o Tomy (Tomás Costa) não jogaram porque o torneio estava limitado a seis substituições. São jogadores que geram interesse no mercado e estamos à espera das propostas adequadas. Se há interessados que se mostrem. Se não houver nada até ao Benfica, eles poderão certamente ser utilizados, disse o treinador do FC Porto, André Villas-Boas. O inferior tenta sempre imitar o superior. É uma regra. Estes recados via comunicação social para dentro do balneário são estranhos. Quando os resultados começam a não aparecer, todos tremem e há mau tempo no canal, ou no túnel, como quiserem. Porque a glória é efémera e não dura sempre. Imitar José Mourinho é impossível, porque recorde-se, Mourinho foi o único mouro a ter êxito entre as gentes do norte. E então, estas palavras são para quem?

Num momento, em que o país se afunda e se compra submarinos, o treinador do Porto, em sucessivas declarações imaturas e irreflectidas, acha que pode controlar as pessoas pelas palavras. No futebol, especialmente, controla-se as pessoas pelos resultados. Mas há sempre a possibilidade de comprar um submarino de bolso.

Lapidar 31

Eles não ganham nada. Eles não falam a mesma língua. A língua portuguesa tem coisas do caraças. Às vezes estamos a conversar horas e horas. E eu não percebo a ponta de um corno daquilo que tu dizes. (António Feio, em conversa da treta)

domingo, 1 de agosto de 2010

Um homem pode mudar


Vladimir Stojkovic foi a principal novidade do treino de ontem realizado à porta fechada na Academia de Alcochete. Depois de ter tido um comportamento altamente reprovável e o consequente afastamento, voltou. Esperemos que seja posta uma pedra sobre o passado. Um homem pode mudar e uma instituição pode perdoar. Se o Sporting já esteve de relações cortadas com outros clubes tantas vezes, e por razões bem piores, pode perfeitamente perdoar e começar vida nova. Que atire a primeira pedra aquele que nunca errou.